Vitamina D e os tomates vitaminados

Ilustraãod e um tomate tomando sol na praia para produzir mais vitamina D
Pesquisadores utilizaram a técnica CRISPR de edição genética para criar tomates ricos em vitamina D. Saiba mais sobre essa nova fonte de vitamina D!

Para que serve a vitamina D

A vitamina D é uma substância importante para o desenvolvimento ósseo, principalmente nos primeiros anos de vida, e manutenção de diversos outros processos biológicos na idade adulta.

A deficiência dessa vitamina pode causar doenças ósseas na infância, como o raquitismo, além de prejudicar o funcionamento do sistema imunológico, aumentar o risco de desenvolver demência, depressão, alguns tipos de câncer e quadros graves de COVID-19.

Embora alguns casos de deficiência de vitamina D tenham causa genética, como em algumas doenças do grupo de erros inatos do metabolismo, grande parte dos adultos desenvolvem a condição pois não obtém quantidade suficiente dessa vitamina na alimentação ou não se expõem ao sol o bastante para que seu corpo a produza.

Como a vitamina D é produzida pelo nosso corpo?

Apesar do nome, a vitamina D não é como as outras vitaminas, que são obtidas exclusivamente da alimentação. O nosso corpo é capaz de produzi-la com uma pequena ajuda da radiação solar.

A vitamina D é produzida a partir de um tipo de colesterol, que passa por diversas reações químicas até chegar na sua forma ativa. A primeira dessas reações ocorre na pele com ajuda da radiação solar, mais especificamente dos raios UVB. Depois, essa molécula intermediária (provitamina D3) ainda é processada no fígado e no rim para se tornar a vitamina D ativa que o corpo precisa.
Via de metabolização da Vitamina D no corpo humano
Apesar da exposição solar ser essencial para a produção dessa vitamina, a radiação solar está associada ao desenvolvimento de câncer de pele, por isso é importante seguir as recomendações médicas para se expor ao sol com segurança.

A deficiência de vitamina D é uma condição comum, principalmente na Europa, onde afeta cerca de 40% da população, sendo que 13% apresentam uma deficiência grave. No Brasil estima-se que cerca de 16% da população apresenta algum nível de deficiência dessa vitamina.

Onde encontrar vitamina D

É possível obter essa vitamina da alimentação. Na verdade, o que é encontrado nos alimentos é uma forma intermediária e inativa dessa vitamina, que precisa ser processada no fígado e no rim para que funcione como o corpo precisa. Essa forma intermediária também é chamada de provitamina D3.

Alguns alimentos são fontes naturais de vitamina D, como peixes e ovos. Fontes vegetais são mais pobres desta vitamina, por isso a deficiência da vitamina é ainda mais preocupante para pessoas vegetarianas e veganas.

No entanto, a concentração dessa vitamina nos alimentos, de uma forma geral, é baixa e não supre o valor diário (VD) recomendado de 15 mcg para pessoas adultas. Como mostra a tabela abaixo, mesmo a fonte não-animal mais rica nessa vitamina ainda detém uma concentração muito menor quando comparada com fontes animais.

* Valores Diários (VD) para uma pessoa adulta.

Tomates vitaminados: uma nova fonte de vitamina D

Um grupo de pesquisadores publicou um estudo na revista Nature Plants mostrando que é possível desenvolver uma nova linhagem de tomates capazes de produzir grandes quantidades de vitamina D. Os tomates geneticamente modificados podem se tornar uma importante fonte da vitamina, principalmente para vegetarianos e veganos, e populações com pouca exposição ao sol.

O que são Organismos Geneticamente Modificados (OGM)


Organismos geneticamente modificados (OGM) são aqueles que passaram por alguma alteração genética em laboratório.

Os transgênicos são OGMs bastante conhecidos. Eles recebem genes de outros organismos para adquirir alguma de suas características. Saiba mais sobre os Organismos Geneticamente Modificados (OGM).

A tecnologia CRISPR de edição genética também possibilita a criação de OGMs. Com ela é possível editar a sequência do DNA do organismo para ativar ou inativar genes de uma forma altamente customizada. Entenda mais sobre a tecnologia CRISPR

Originalmente, as plantas de tomate produzem essa vitamina durante o seu desenvolvimento, mas ela é usada para a síntese de outras substâncias necessárias para o crescimento da planta, desenvolvimento dos frutos e resistência a algumas pragas. Portanto, uma planta adulta, assim como os tomates maduros, não apresentam a vitamina.

Nos tomateiros, a vitamina é consumida em duas vias diferentes: uma delas afeta o desenvolvimento da planta e dos frutos e a outra afeta a resistência a pragas. A via de resistência pode ser inativada sem grandes consequências para o crescimento da planta e, por isso, foi a via modificada no estudo.

Ilustração de tomateiros normais, sem vitamina D e tomateiros editados geneticamente com CRISPR e que produzem vitamina D

Os pesquisadores usaram a tecnologia CRISPR de edição genética para inativar uma enzima chamada Sl7-DR2, responsável pela transformação da vitamina D na via de resistência dos tomateiros. A linhagem de tomateiros deficientes de Sl7-DR2 acumula grandes quantidades dessa vitamina nas suas folhas e frutos após serem expostas ao sol.

Segundo o estudo, um tomate geneticamente modificado produz vitamina D equivalente a uma porção de atum ou dois ovos cozidos. E as folhas do tomateiro são uma fonte ainda mais promissora, acumulando cerca de 200 mcg da vitamina a cada grama de folha seca. As folhas do tomateiro, que antes não tinham uso, podem ser matéria prima para suplementos de da vitamina, que hoje são feitos a partir de óleos de peixe.

Outros vegetais que também podem podem ser modificados

O tomate é uma planta da família Solanaceae. Como organismos de uma mesma família costumam ter processos biológicos semelhantes, é possível que outros vegetais da família do tomate também possam ser modificados da mesma maneira e se tornar outras fontes de vitamina D.

Os pesquisadores ressaltam no artigo que vias semelhantes de produção dessa vitamina também estão presentes em batatas, berinjela e pimenta e o mesmo processo de modificação genética poderia ser feito nesses vegetais. Assim, futuramente poderão existir várias fontes vegetais de vitamina D.

meuDNA Revisa

Em quais frutas encontramos a vitamina D?

Vegetais, como legumes e frutas, naturalmente não apresentam vitamina D nos seus frutos maduros. Por isso, não é possível obter vitamina D na ingestão de vegetais em sua forma natural.

Qual a vantagem do tomate geneticamente modificado?

O tomate modificado no estudo é capaz de acumular grandes quantidades de vitamina D em seu fruto maduro. O tomate geneticamente modificado poderia ser a primeira fonte vegetal de vitamina D.

Como é feito o tomate geneticamente modificado?

O estudo utilizou a tecnologia CRISPR de edição genética para modificar o DNA do tomateiro e criar plantas que são capazes de acumular vitamina D nas folhas e nos frutos maduros.

Deixe uma resposta

You May Also Like