Origem do Natal: de pagã à cristã

ilustração do trenó do papai noel sendo puxado por renas e dando a volta ao mundo
A celebração do dia 25 de dezembro começou muito antes do nascimento de Jesus Cristo. Conheça a origem do Natal e tradições natalinas pelo mundo!

Apesar de ser uma tradição cristã, que celebra o nascimento de Jesus Cristo, a origem do Natal é pagã. Na Antiguidade, no final dos meses de dezembro, era celebrado o solstício de inverno, pois a partir desta data e até o próximo solstício, os dias começam a ter mais tempo de luz do Sol, essencial para a agricultura de diversos povos daquela época.

Assim, o solstício era o período em que diferentes povos cultuavam seus deuses: gregos homenageavam Dionísio, o deus do vinho, os egípcios veneravam o Osíris, deus do julgamento, do além e da vegetação, e os romanos cultuavam Mitra, o deus da luz.

No calendário atual, o solstício de inverno acontece em 20 ou 21 de dezembro, mas no calendário da época, o culto à Mitra acontecia em 25 de dezembro e a celebração era chamada de Festival do Sol Invicto e incluía ceia fartas e trocas de presentes.

No século 4, o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano, e a Igreja escolheu a data 25 de dezembro como sendo o nascimento de Jesus Cristo, para aproveitar o momento festivo de culto à Mitra.

Natal em janeiro

Em países com predominância de cristãos ortodoxos, como a Rússia, o Natal é comemorado em 07 de janeiro, pois a Igreja Ortodoxa segue o calendário juliano (instituído pelo Imperador Júlio César) e não o calendário gregoriano (instituído pelo papa católico Gregório XIII em 1582). Há uma pequena diferença na contagem dos calendários, pois o gregoriano está alguns dias à frente do juliano, ou seja, o dia 07 de janeiro no calendário gregoriano equivale ao 25 de dezembro no calendário juliano. Sendo assim, os cristãos ortodoxos, na verdade, também celebram o Natal em 25 de dezembro.

Origem de símbolos e tradições do Natal

O Natal como conhecemos hoje possui símbolos e tradições que foram herdadas de diversos povos. Descubra a seguir a origem de alguns dos principais costumes natalinos:

Presépio

O primeiro presépio foi criado por São Francisco de Assis em 1223, na Itália, para recriar a cena do nascimento de Jesus para poder ensinar sobre ela com mais facilidade. Em seguida, a tradição de montar presépios foi adotada por igrejas, catedrais e famílias nobres e, posteriormente, o costume se tornou presente também nas casas de famílias comuns.

Árvore

Os povos germânicos, como os vikings de origem escandinava, homenageavam o solstício de inverno e Odin, o deus supremo da religião nórdica, na festa pagã chamada de Yule. Muitas dessas tradições foram incorporadas posteriormente ao Natal, como a decoração de casas e de árvores que colocavam dentro da residência. A origem da árvore de Natal moderna não é tão clara, mas remete às regiões do Centro-Oeste e Leste europeu.

Papai Noel

A figura do Papai Noel foi inspirada em Nicolau de Myra, bispo da cidade de Myra (região da atual Turquia) no século IV. Ele foi um benfeitor a crianças e necessitados e, após a sua morte, foi canonizado como São Nicolau. 

A versão moderna do Papai Noel, sem os adereços religiosos de São Nicolau, foi desenhada pelo americano Thomas Nast em 1862, mas foi apenas a partir de uma campanha publicitária da Coca-Cola em 1931 que o Papai Noel ganhou tamanho destaque nas festividades natalinas e a figura com as roupas vermelhas e o característico gorro com pom-pom tornou-se universal.

Noite de Krampus

O Krampusnacht (ou Noite de Krampus) é celebrado em alguns países europeus, como Alemanha e Áustria, no dia 4 de dezembro, véspera do Dia de São Nicolau. Krampus é o espírito maligno com chifres que pune as crianças que não se comportaram durante o ano. Nesse evento, pessoas fantasiadas de Krampus saem às ruas.
foto de uma pessoa usando uma máscara de Krampus

Calendário do Advento

O Tempo do Advento é o período de preparo que antecede o Natal. Os primeiros registros de tradições e rituais durante o Advento incluíam jejum e abstinência praticados na Península Ibérica (Portugal e Espanha) e na região hoje ocupada pela França.

Já o calendário do Advento, que é a contagem regressiva para o Natal, foi criado pelos luteranos alemães, que faziam a contagem escrevendo os dias nas portas de suas casas com giz. 

Um dos formatos tradicionais para a contagem é a coroa do Advento, sendo uma coroa de folhas que possui 4 velas para serem acesas, uma em cada domingo que antecede o Natal. 

Outro formato é o calendário do Advento, que possui 24 janelinhas, sendo aberta uma janelinha por dia até o Natal a partir do primeiro dia de dezembro. Em alguns calendários, ao abrir a janelinha, encontra-se desenhos e cenas natalinas, em outros há atividades natalinas para serem feitas em família e em outros, mais comerciais, há doces e pequenos presentes para as crianças que esperam ansiosas pelo dia 25.

foto de um calendário do advento vermelho com portinhas abertas
Tradições natalinas diferentes

Algumas celebrações natalinas são bastante específicas de um determinado povo, conheça algumas tradições diferentes das brasileiras:
Noruegueses: eles ainda mantém algumas tradições pagãs, como esconder vassouras atrás das portas durante o Natal, para evitar que bruxas e outros espíritos possam voar ao redor de suas casas.

Portugueses: algumas famílias portuguesas arrumam lugares à mesa da ceia para o espírito de pessoas já falecidas.

Ceias natalinas pelo mundo

A Ceia de Natal de cada povo possui suas particularidades, envolvendo comidas típicas, tradições envolvendo esses pratos e pode variar até o dia em que costuma ser realizada, se no dia 24 ou 25 de dezembro. Conheça a seguir comidas natalinas pelo mundo e suas tradições!

Polônia

O Natal na Polônia é um evento bastante simbólico e cheio de tradições. O opłatek é um pão sem fermento, que lembra uma hóstia, estampado com imagem religiosa, que cada pessoa compartilha o seu com os outros familiares antes da Ceia.

mesa natalina com itens de decoração e o opłatek, pães muito finos com estampas religiosas

República Tcheca

Os tchecos fazem uma grande variedade de biscoitos doces, inclusive na época do Natal. Nesse período, as famílias, e até membros da mesma família, trocam biscoitos para que possam experimentar outros biscoitos.

foto de um prato com diferentes biscoitos natalinos

Noruega

A ceia de Natal na Noruega inclui comidas típicas da região, como costela de porco, costela de cordeiro ou bacalhau, em alguns locais.

Dinamarca

A sobremesa tradicional é o risalamande, um arroz doce gelado com amêndoas picadas e calda de cereja, que pode ser fria ou quente. Na Suécia, Noruega e Finlândia há variações dessa sobremesa, como o sabor da calda, que pode ser também de morango ou framboesa, ou pela adição de frutas. 

Nesses países, costuma-se colocar uma amêndoa inteira escondida na sobremesa e, semelhante à tradição francesa do Dia de Reis, quem encontrá-la terá boa sorte e ganha um “presente de amêndoas”, um doce de marzipã, em geral com formato de porco.

foto de dois pequenos copinhos com o risalamande, sobremesa natalina dos países nórdicos

Japão

No Japão o cristianismo é uma das religiões minoritárias e por isso o Natal não é considerado feriado. Há famílias que celebram o Natal, mas por causa da dificuldade em encontrar Peru no Japão, na Ceia de Natal come-se frango. Curiosamente, a rede de restaurantes especializada em frangos fritos, KFC (Kentucky Fried Chicken), é um dos principais locais em que os japoneses compram frango para sua Ceia natalina, graças a uma bem-sucedida campanha publicitária na década de 70.

França

A galette des rois é uma torta doce folhada feita no dia 6 de janeiro, na celebração cristã do Dia de Reis. Uma miniatura de rei feita de porcelana é colocada dentro da torta antes de assá-la e aquele que encontrá-la, recebe uma “coroa” de papel. 

galette de rois com uma coroa dourada de papel ao lado

A bûche de Noël é uma torta natalina doce em formato de tronco, como se fosse um rocambole. A sobremesa surgiu a partir de uma tradição de camponeses que queimavam o tronco de uma árvore frutífera durante o inverno para aquecer e como ritual para trazer boa sorte nas colheitas do ano seguinte. Além de ser consumida na França, ela também é feita na Bélgica, Suíça e em algumas regiões que foram colônias francesas, como Canadá.

Como descobrir o que seu DNA diz

Assim como o Natal, temos uma grande diversidade de origens. Nosso povo como conhecemos hoje conta com a participação de diversas culturas e ancestralidades, incluindo nativos americanos, africanos, asiáticos e europeus. Todos deixaram heranças em nossa língua, sobrenomes e em nossos costumes.

Conheça a sua história e o que o seu DNA diz sobre você! Com o meuDNA Premium você conhece sua ancestralidade genética de 5 a 8 gerações atrás com base em 88 populações espalhadas pelo mundo. Além disso, ele revela sua predisposição a desenvolver doenças genéticas como câncer, colesterol alto e diabetes monogênica!

meuDNA premium

meuDNA Revisa

Qual a origem do Natal?

Apesar de ser uma tradição cristã, que celebra o nascimento de Jesus Cristo, a origem do Natal é pagã. Quando o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano, a Igreja escolheu a data 25 de dezembro como sendo o nascimento de Jesus Cristo, para aproveitar o momento festivo de culto ao deus Mitra.

Qual a origem do presépio?

O primeiro presépio foi criado por São Francisco de Assis em 1223, na Itália, para recriar a cena do nascimento de Jesus para poder ensinar sobre ela com mais facilidade.

Qual a origem da árvore de Natal?

Algumas tradições, como a decoração de árvores dentro de casa, vieram de costumes pagãos de povos germânicos praticados no festival de Yule, que homenageava o solstício de inverno e o deus Odin.

Qual a origem do Papai Noel?

A figura do Papai Noel foi inspirada em Nicolau de Myra, bispo da cidade de Myra (região da atual Turquia) no século IV. Ele foi um benfeitor a crianças e necessitados e, após a sua morte, foi canonizado como São Nicolau.

1 Shares:

Deixe uma resposta

Você também pode se interessar: