Saúde do homem e saúde da mulher: diferenças

ilustração de cromossomos sexuais XX e XY e ao lado deles uma silhueta feminina com as mãos no rosto e uma silhueta masculina com as mãos no coração.
Veja algumas doenças que afetam mais a saúde do homem ou a saúde da mulher e entenda o porquê dessas diferenças.

Já explicamos em outro post que algumas doenças são mais comuns em algumas populações do que outras. Mas você sabia que há também diferença na frequência de algumas doenças entre os sexos? A explicação para a diferença na saúde do homem e saúde da mulher pode estar em hábitos, estilo de vida, diferenças biológicas e também na genética. 

Conforme a ciência descobre as causas dessas diferenças, pode-se entender melhor o mecanismo de cada doença, o que possibilita também o planejamento preventivo e o tratamento personalizado para cada sexo.

Saúde da mulher

O câncer de ovário é o primeiro exemplo e o mais fácil de explicar, já que apenas o sexo feminino possui esse órgão. Mas e o câncer de mama, já que os dois sexos possuem mama, por que ele não afeta a todos da mesma maneira?

Apenas 1% dos casos de câncer de mama afeta homens e isso se deve pela baixa exposição e responsividade das células mamárias masculinas aos hormônios. Já as células mamárias femininas estão constantemente expostas aos hormônios estrogênio e progesterona, que promovem o crescimento e a proliferação celular. Quando a proliferação sai do controle, forma-se o tumor. Por isso, fatores de risco ao câncer de mama incluem a idade da primeira menstruação, da menopausa e também o uso de anticoncepcionais hormonais e a terapia de reposição hormonal.

Os fatores de risco são causas que podem aumentar o risco de desenvolver uma doença. Eles podem ser fatores ambientais, quando são relativos às condições ambientais propriamente ditas, aos hábitos ou estilo de vida, ou podem ser fatores genéticos, ou seja, que estão no DNA.
ilustração de um homem e uma mulher e ícones representando um hambúrguer, uma balança, um DNA, um maço de cigarro, uma garrafa de cerveja, o sol e um sofá.

As decisões sobre usar ou não algum tipo de medicamento hormonal devem ser tomadas em conjunto com seu médico. Não mude seus tratamentos sem o conhecimento do seu médico.

O risco de ser acometida pelos transtornos de ansiedade é o dobro em mulheres. Os motivos para essa diferença entre os sexos ainda não foram totalmente esclarecidos, mas há pesquisas da neurobiologia do medo (que possui correlação com a ansiedade) mostrando que a formação e extinção da memória de medo são diferentes entre os sexos e possuem associação com o hormônio feminino estrogênio e o medo.

A Doença de Huntington e a Doença de Alzheimer são neurodegenerativas e afetam mais a saúde da mulher do que a saúde do homem. Porém, os motivos também não são claros nesses casos.

Saúde do homem

Também pela questão de ter um órgão que não está no outro sexo, o câncer de próstata afeta homens, mas não mulheres. Porém, um fato interessante é que algumas mutações genéticas, como as que ocorrem nos genes BRCA, podem aumentar o risco de câncer de próstata e mama em homens e câncer de mama e ovário em mulheres.

Assim, se uma pessoa tiver uma mutação nesses genes, os familiares mais próximos devem ficar atentos à saúde, seja qual for o sexo. 

O daltonismo (distúrbio que interfere na visualização das cores), a hemofilia (condição que afeta a coagulação sanguínea) e a distrofia muscular de Duchenne (doença progressiva que afeta a musculatura) são exemplo de doenças que afetam principalmente homens. 

Essas três doenças são genéticas, com padrão de herança recessiva ligada ao cromossomo X. Ou seja, a mutação está presente no cromossomo X, e como pessoas do sexo masculino têm apenas um cromossomo X, basta uma cópia alterada do gene para a doença se desenvolver.

Já a insuficiência cardíaca, em idades mais novas, atinge mais o sexo masculino, pois mulheres ainda em período fértil produzem o hormônio estrogênio, que protege o coração diminuindo, por exemplo, a inflamação. Apenas em idades mais avançadas, quando ocorre a menopausa e a diminuição na produção do estrogênio, o risco de doenças cardíacas em mulheres é mais alto do que em homens.

A Doença de Parkinson é neurodegenerativa e atinge o dobro de homens em comparação às mulheres, porém, os sintomas tendem a ser mais graves e piorar mais rapidamente no sexo femino. Há pesquisas que sugerem que o estrogênio, assim como protege o coração, esteja envolvido na proteção do tipo neuronal que é o mais afetado no Parkinson.

Doenças que afetam igualmente os dois sexos

Apesar de existirem diferenças genéticas e biológicas entre os sexos, há também muitas semelhanças, por isso algumas doenças afetam a saúde de homens e a saúde de mulheres na mesma frequência.

A anemia falciforme (doença que afeta as hemácias) e a fibrose cística (doença que afeta os pulmões), por exemplo, são doenças genéticas com padrão de herança autossômica, ou seja, as mutações genéticas que causam essas doenças ocorrem nos genes autossômicos e não nos cromossomos sexuais, afetando igualmente os 2 sexos.

Além de fatores genéticos similares poderem equilibrar o aparecimento de doenças, os hábitos e estilo de vida também são fatores que aumentam o risco de desenvolver uma condição de saúde. Um estudo publicado no periódico científico Atherosclerosis avaliou a saúde de milhares de casais heterossexuais do Japão e da Holanda e verificou que os cônjuges compartilham hábitos, como quantidade de exercício físico, consumo de álcool e cigarro, e que também têm taxas de colesterol e triglicerídeos parecidos, assim como a chance de desenvolver hipertensão e diabetes.

O câncer de estômago também afeta a saúde de homens e a saúde de mulheres na mesma frequência. A causa mais comum desse tipo de câncer é a infecção pela bactéria H. pylori, que é contraída através da ingestão de alimentos ou bebidas contaminados e que pode acometer qualquer um dos sexos.

Em muitos lugares do mundo a obesidade atinge mais mulheres do que homens, mas não é o que ocorre em nosso país. Estudos na população brasileira mostram que a proporção de homens com excesso de peso (Índice de Massa Corporal igual ou acima de 25) é maior, enquanto a proporção de pessoas obesas (Índice de Massa Corporal igual ou acima de 30) é muito parecida entre os sexos.

Conhecendo o próprio risco

O teste genético é uma ferramenta que analisa o DNA para verificar se há fatores genéticos hereditários que aumentam o risco de doenças. O teste permite conhecer o risco antes mesmo de apresentar qualquer sintoma, sendo útil para tomar as medidas que evitem o surgimento da doença.

Junto com o médico, a pessoa também pode decidir por procedimentos e tratamentos que podem ajudar a diminuir a chance da doença aparecer. Para auxiliar nas decisões sobre os próximos passos para cuidar da saúde, o médico irá avaliar o conjunto de todos os fatores de risco (ambientais e genéticos) da pessoa.

Com o meuDNA Premium você conhece sua predisposição a desenvolver algumas dessas doenças genéticas, como câncer, colesterol alto e diabetes monogênica. Além disso, o teste revela a sua ancestralidade genética de 5 a 8 gerações atrás com base em 88 populações espalhadas pelo mundo!

meuDNA premium

meuDNA Revisa

Quais doenças afetam mais a saúde da mulher?

Doenças como câncer de mama, transtornos de ansiedade, Doença de Huntington e Alzheimer acometem mais mulheres do que homens.

Quais doenças afetam mais a saúde do homem?

Doenças como hemofilia, distrofia muscular de Duchenne, Parkinson e insuficiência cardíaca acometem mais homens do que mulheres.

0 Shares:

Deixe uma resposta

Você também pode se interessar:
Imagem ilustrativa de um pezinho de bebê e um cartão de coleta do Teste do Pezinho
Leia mais

Junho lilás: a história da triagem neonatal

O dia 6 de junho é o dia da triagem neonatal, por isso são realizadas campanhas de conscientização durante todo o mês. A cor lilás foi escolhida para representar a campanha e é usada para iluminar monumentos em várias regiões do Brasil. Conheça a história da triagem neonatal e participe do movimento Junho Lilás!